domingo, 7 de fevereiro de 2010

foda-se vai tomar no seu cu

Da fera pra fora,ele sai
da fera pra dentro se distrai
sozinho de qualquer jeito de dentro pra dentro
de fora pra fora

não tem discernimento de momento 1 ou 2
só tem fera solitária sem sexo
uma raça única e rara
contrária e diferente

óbvio e depois o mais óbvio ainda
escreve nessa poesia a fera
o bicho sem pau,o rejeitado homem
o nada animal/mente que vaga

vaga em soluços de esperança
e respirações entre a morte e a vida
vaga entre a vida e a morte
sem sorte,não compra nada além

não,é não toda hora
é não,não
não
não não nananananaãoaoaaoaçpakaanmjhbunnianana

é droga de vida misturada com um pouco de crocodilagem
sem poesia sem manifesto sem vontade
sem quente sem frio sem nada
sem carnaval

terça-feira, 2 de fevereiro de 2010

o homem morto

Andava nas ruas o homem morto.Jazia nas bancas comprando morte viva,queria saber o por que de sua morte inconscientemente,pois seu consciente nao sabia-se morto.Sua energia fora sugada,de sua alma,sobras,de seu corpo,lixo,vivia assim como um,resquicio.
Sobra desmerecida do mundo o homem morto chora,bota a cara na sua rua e sente como se fosse o mundo inteiro,bate a cara no ch'ao e sente como se o ch'ao estivesse pisando nele,um cara com uma cara no chao,um chao com o pe na cara morta.O homem morto comeca sua viagem pra vida,comeca a sair do caixao,aos poucos olha o ceu de seus olhos podres
e se quebra todo no chao.Vai passando o tempo o homem morto fica mais novo,seu corpo se reconstroi e ele vai ganhando osso,ganhando carne e vida,vai fazendo chao de novo chao e saida,saida.Faz homem morto mais homens vivos com seu novo corpo,faz novas vidas com sua vida morta taz novos niveis varados em campo de corrida de bola,em vazo chines bonito de vida,tra;a com um traco traca todas as estrelas em direcao a vida,em direcao ele ve

O homem morto ve que todos que nasceram depois dele,vivos e que envelhecem cada vez mais,sao todos burros,ficam velhos e cada vez mais miudos de tudo,e ele crescendo homem morto-vivo vai trazendo mais vida,mudo,calado,impressionado,como a vida que traz vem de si,um morto,e da vida vem morte sem traco de vida,de bola tracada de vida de olhar nas estrelas um sonho e viver nele.Cada tudo isso(ponto de exclama;'ao)
Cade a vida das estrelas das almas da vida pra morte,

O homem morto faz vida.Aos poucos jainda com 60 anos,ve mais e mais vida,e tem sua primeira ere;'ao,e tem a primeira senhora pra beijar e nada mais,sem sexo,sem masturba;'ao,o homem morto pede,mas ja nao ha erecao.e depois com 50,e depois com 30,e depois 20 ate o nada,abismo,o homem morto-morte-pra-vida-pro-nada constroi a seguinte sentenca

Sou eu quem me navego
quem me navega nao e o mar
eu faco vida da vida que eu achar
e aqui nao achei nenhuma alem da minha
me vi neles,eles nao se viram em mim
sem saber que,parecido com eles,
eu nem era tao assim

Trato

Trato feito pedra fui
todos olham com ignorancia,pudor e fraqueza
color,hightech,sementes de high technology
no coração dor

Na fragto,frágil,da fragmentação,vejo tudo
raízes,loucura,absurdo
torpor de idéias reprimidas na própria máquina de reproduzir vida
o contrário se sobrepos ao reves,se fez fato em concreto em cima do certo

em cima do errado certo e do certo errado
faz cracto,rachadura de cratera
fez mera,fez merda,fudeu tudo
traçou o cu da vida com o pau da morte
trouxe sorte pra mim?mamãe,me dá sorte?

Dá sorte,mãe?
Sair na revista e ficar pelada no mundo,mostrar o errado errado mudo,cego e surdo,pirar na avenida da vida morta dos tudos embutidos nulos em essencia e loucos de carência?
Dá certo viver mãe
om essa porra toda acontecendo e todo mundo morrendo por causa de catarro ou merda,ou porra,ou buceta,morrendo saci,morrendo de quatro,carrapato,pato,Aids,sifilis,t[edio,olfato,maltrato,trato,nosferatu,trato,mal,mal,tratado,trat,o

eu vós

Eu somos todos que são
todos foram talhados na mesma madeira
não compensa não ser o que não foi mandado não ser
somos todos feitos de poeira

São madeiras crescidas no horizonte por puro vazio
vazio ruim de pedra mal tratada
de sentimento curto de perna por causa do ódio descarado
todas as fantasias que se possa imaginar imbutidas

somos todos eu,não somos eu ilusão
eu com vós dá nós
damos nós em fragmentos de capsulas pra concertar com instrumentos musicais
os nós sonoros da voz de vós

todos que querem vão,mas nem todos que vão piam
todos são eu
sou todos que sou
eu
que todos eu
sou são todos
seus

segunda-feira, 1 de fevereiro de 2010

Os outros

Tristeza me olham
culpa
quando triste os outros percebem
percebem,mas não me alegrem

Eles peguem meu rosto com carinho
eles medem a força com espinho
seu poder contra o meu
culpa cai na minha cabeça

Sou nada,sou nada não
quero nada contra vocês
mas a insistência da culpa
colabora com todo tipo de surdez