quarta-feira, 10 de junho de 2009

Flor inexistente

Sou como flor no deserto
não pela raridade,pela solidão
não somos flores,sou flor
caída petala por petala dentro do seu coração

E tenho dito
Carinho dado,semeado,cura a dor
e é bendito
qual é o preço de um amor?

Queria ter a moeda que paga
uma paixão
pra ver se amando consigo sair do banco
da solidão

Descobri que te amo
e te sinto como um maravilhoso ser
uma pessoa a julgar meu sentimento
como todas as que julgam quando me confesso

E que mais uma vez vai me fazer sofrer
com doces de amargura
e talvez um dia
azedos de amor

Num shopping de promoções
a vida de alguém tava ali em promoção
um amigo meu vendeu a mãe
venderam almas,prendas de carne humana

Vendi também naquele lugar
vendi meu nariz e minha boca
até uma parte da minha alma
sair pelo meu cu

Nenhum comentário: