quarta-feira, 22 de abril de 2009

A poesia tenta descrever o ser humano número 1

Sobre nada falo aqui
e por isso mesmo presto que não preste atenção
presto o resto do tempo,atenção a você
eu

Não é mais você ou você que me lêem
sou eu a poesia que leio vocês
eu como vocês por que cansei de ser comida
eu ouço,e não cansei de ser ouvida

cantem pra mim,eu olho
reclamam da falta de poesia,quando nunca reclamei da falta de vocês
mesmo quando faltavam pra fazer poesia
mesmo sem cria
eu vazia

E sobre o nada deixem-me redobrar-me
olho cada um nos olhos e analizo cada olho cada cara
analizo na rigidez da análise do espelho
que marca um conselho sobre a métrica da simetria da estética

Com iso porém não desaprovo nada
não digo nem sim nem não
observo apenas
e sinto-as sem julgamento

Escrevo a poesia sobre vocês
E assim ela começa:

Sou um apreciador,leitor,escutador,crítico
de arte
venho de qualquer parte
nasci em qualquer tempo

Tenho sentimento ou não
sou um todo,uma unidade
não poucos ou muitos
sou variedade

e observando compreendo com o tempo
algo que não compreendia a metade
poesia com o tempo é nada e é tudo
o vão que se cria entre eu e o mundo
também

2 comentários:

Taiyo Omura disse...

belíssimo, arriscado,

gostei da experimentação!

Rafael disse...

Yeah
Muito bom!