sexta-feira, 24 de abril de 2009

Delicadeza

Fada de contos já foi adulto
Viagem no tempo ainda é adulto
a única coisa que sempre vai ser criança sou eu

Esferas de sentimentos bonitos
gratidão entre amigos exposta
todos um dia serão contetes

São tristes alguns momentos
murchos em seus leitos por preguiça
são caros pro corpo às vezes,doentos
cavando a menina criança do peito da pureza

Encontremos a virtude trabalhando há muito tempo reprimida
e talvez o perdão,talvez a memória,volte a existir
talvez até o homem sem passado
volte a sorrir

Um comentário:

Set-Nuit disse...

Alvaro escrevendo bem como sempre =)
E ficou melhor ainda em velocidade relâmpago; da última vez que vi até esta poesia de agora...