quarta-feira, 25 de fevereiro de 2009

Poesia bêbada

Essa é a poesia bêbada
que é babada
ela é escorrida da boca que nem o álcool
e faz parte de uma coisa que eu esqueci pela amnésia alcoólica...

Droga
quero lembrar
bebi não sei onde
faço coisas pra escrever aqui

A vida gira em torno da poesia ou é a poesia que gira em torno da vida?
salpica
salpica essa indecisão
meu caro alcoólatra

Alcoolatras foram muitos
desde Getúlio,Serra e Lula
Chico Buarque,Vínicius e Tom
desde meus tempos de velho
no vento do bar discreto

Bêbado percebo coisas que não percebia
assim como o dia
percebe
coisas que a noite não vê

sons do mar que a gente não crê fazem parte
do dia-dia bêbado indiscreto na solo-arte
de viver sem projeção no tempo
sem cara de quem te vê
te viu

Um comentário:

Rodrigo Brower disse...

A poesia é parte da vida, só não gosto quando a poesia fica algo nostálgica ou depre, pra mim ela deve ser viva, pulsante, vida!