quarta-feira, 7 de janeiro de 2009

Na fração da vida

Por uma fração de segundo pensei em desistir
por uma fração de falta de ação se pensa
por não agir o pensamento compensa
o espaço que ficou vazio

A mente engana e te gama
quer você na dela
te bota numa tela de cinema
pra você e seu orgulho ficarem bonitos

Ela confunde teu caráter
enlouquece teus sentidos
desfaz a poesia com o racíocinio lógico
te padroniza e encaixa para ter um padrão mercadológico

E a vida continua,e ela ali
te alertando e pertubando
dominando o seu sorrir
batidas de um coração?não...

Já é um motor

2 comentários:

Rodrigo Brower disse...

O padrão mata a vida, generaliza o que se é ímpar =D

Taiyo Omura disse...

éissoálvaroéisso!
tutájánabrincadeira!
napoesiadequalquermaneira!
caratáfodamesmotáfoda!
gosteidemaisexploraexplora!
omotoréapoesia!