sábado, 31 de janeiro de 2009

Cristalina

Cristalina é minha água de pensamentos em você
e é engraçado pensar em você
pensar em ter você ao meu lado
pois seria loucura,talvez um pecado
não te ter

De pensar que você é tão diferente de mim
e tão diferente de outras
é uma das poucas
que me faz sentir assim
tão perdido

Tão sem saber quem é você
tão sem saber qual é o seu momento
meu tormento,nem existe
pois ainda não sei qual é a tua
mulher raiz,cristalina
nua

Como a árvore bate no solo
o sol bate em você
na água,me afogo
em você
engraçado

O fato de você ser um aquário
um ascendente
o que busco ser e ao mesmo tempo
escondia
por achar fraqueza

A fraqueza era coragem
a coragem era fraqueza
a fraqueza pro ego
é a bravura pro ser
prazer
de estar aqui
e saber,sentir
o que é
você

Até porque por trás da comédia existe o drama

Por trás da comédia existe o drama
por trás do drama existe a comédia
existem dois por trás do outro
que são o outro por trás do outro

Enquanto a alegria tem uma supeficialidade nela
a tristeza tem uma profundidade nela
como o ditado que diz que
por trás de um tigre velho
existe um dragão escondido

um velho tigre
um dragão
por trás
de uma canção
sempre tem o momento que a fez

as pequenas interligações e sensações
positivas ou negativas
que se fundiram
no fazer da poesia
fizeram a música

some tudo da areia com o mar
siga o mar e veja a areia lá dentro
veja o momento em que os dois se tocam
e alguns grãos não mais voltam

tem os que ficam e o mar que vai
tem os que vão e o mar que fica
somos um vão entre a vida e a morte
somos a sorte de um foi por pouco

Um:Ah,se não fosse aquela mão
somos um vão
aquele braço puxando
a ponto de ir pra vala
a vala some

o ponto finaliza sem ser ponto final
sem ser fatal o ponto esfria
a faca fia,o gato mia
a vida via pra vida
a vida via pra dar
mais vida

sexta-feira, 30 de janeiro de 2009

Sombra reativa

Aqui do nada
me deparo com tudo
Trabalho,sacrilégio,absurdo

Risadas nefastas
do cotidiano da manhã
à tarde sono

A noite a loucura
o tédio ou indecisão
ou leitura compenetrada
algum fluxo,radiação

Poesia escrita em 3/12/05

quarta-feira, 28 de janeiro de 2009

Uma moça

Solta a sua lira
Sua cria quer voar
Por que tanto prende teu desejo
seu ensejo,de zarpar?

Solta a Âncora sem medo
deixa ela afundar
mantenha só seu teu segredo
mas saiba se revelar

Seus instantes são eternos com seus fluidos
ruídos,giros externos de seu corpo
energia a todo instante você prende
e assim ninguém,com sua magia
se surpreende

Deixa a onda do mar refletir nos seus olhos
faz a sombra do desejo se abrir
curta a vida sem receios
compre brigas,sem deixa-las te engolir

A vida te venera como ninguém
por que não se deixa descobrir
se deixa voar por aí
sem medo e sem travas
sem demandas,sem dichavas

Escondida não vai viver
te proponho o prazer
prazer da alma,da sua fauna
do gosto eterno da vida

segunda-feira, 26 de janeiro de 2009

Santa casa

Sensações boas são lembranças das coisas
que eram barreiras
e hoje são força

Crenças fortalecedoras que pegam de surpresa
ativam a existência do ser
seu novo ser

Santa casa que atende necessitados
força,e mostra sua presença
fazendo-os esperar

Pessoas unidas umas as outras
por uma causa maior
um bem de estar
melhor pro mundo

Paciência e cautela
três,quatro,cinco horas esperando
e no intervalo de esperar
as conversas surgem

cada qual o seu problema conta
com almas a ouvir
qual cada um carrega
cabe só a si

O atendimento começa
pessoas saem sorrindo
olhando para um mundo
com mais magia
e lindo

sábado, 24 de janeiro de 2009

Cantando,canto...

Canto a canção de cantar
seguindo sigo
caminhando
caminho

Sorrindo sorrio
fazendo faço
montando monto
passando repasso

o caminho das pedras
pedregulhando o caminho
caminhando nas pedras
pedreminhando o cadras
ou as pedrinho

Enlouquecendo enlouqueço
Esfarelando esfarelo
cozinhando cozinho
congelando congelo

brincando brinco
na poesia tento
poesiando poema
trazendo tudo a contento

cadeira cadeiro
mesa meso
televisão televiso
confessando confesso

Que minha vida é assim
que minha vida é algo aberto
aberto e livre pra ser
um livro claro e perpleto
de perfeição

quinta-feira, 22 de janeiro de 2009

Cadê?

Sinto muito
por não saber sentir
não sou poeta
mal sei ouvir

Ando pelas ruas
como se estivesse triste
não sinto nada
e me identificam na tristeza

sou só um homem em meio a chuva
sozinho
sem sentimentos,sem ouvidos,sem vestidos e mácaras
sozinho
sem graça

Perdido nas ruas de copacabana
sem grana,sem raça
sem medo,sem drama
sem cachaça

Cadê?
aquilo tudo que acontece nos filmes
cadê o amigo que vem socorrer nas horas de solidão
cadê o amor
cadê...
cadê?!
cadê você?

sinto sua falta...

quarta-feira, 21 de janeiro de 2009

Chuva,cavaco

Chuva dócil sofre um sorriso
sorriso de quem vê nela esperança
de quem vê mais que lembrança
na queda espetacular

lembro samba no cavaco
sambo e sambo em meu suvaco
a ponta do sabonete

E sinto aquela paz de espírito
que só um dia desses pode dar

Casa vazia,tempo frio
sopro manso a me passar
rádio ligado na cozinha
quinta,sexta a me esperar

Aqui reaprendo,começo do zero
Esse poema é bem isso
É começo do início
A entrega ao que há

terça-feira, 20 de janeiro de 2009

De saída

Hoje fica curta
pediu um amigo meu
escreve a poesia
escreve aqui pra eu

Assim,realizei seu pedido
e em forma de ouvido o guardei
em forma de escrita o escrevo
e sem forma o lerei

A forma do pão,assa
A forma do triângulo,três pontas e lados
A forma do compasso com um passo
vira a forma de um desenho

escrevo sem receio
de fazer falta no conteúdo
pois sem falta de zumbido
não tem nada novo pra ficar
pra aprender,pra preparar,formentar a sua mente
fazer da vida uma serpente,que quando cortada vira duas,e se moída fica crua
como já era antes

Antes de Dante
Antes distante
Antes de saint
Elefantes,pandas,pajé

quarta-feira, 14 de janeiro de 2009

confusão de pensamentos

fraco bate o ponteiro do relógio
fraco no tic,forte no tac
sinto a explosão interna de veias e sangue
existe uma bomba relógio em mim

Há muito já descrita em outro poema de outro autor
há muito conhecida de humanos
há muito destruída por humanos
em guerras,revoluções

violência gera violência
amor gera amor
violência e amor
são gritados em um tambor

amor nada tem a ver com o jogo de opostos
com o velho:te amo quando está aqui e te odeio quando distante
ele é muito maior que isso
amor é usar os sentidos sem pensar sobre as coisas
amor é ser

O ser é você,eu,a natureza
o corpo interior,é a alma
é fazer com que seu chi ou ki vá para o corpo físico naturalmente
pessoas de princípios podem não amar por serem duras
mas o que mais importa são os princípios amorosos

principiar
o amor
pelo mundo
finalizar
em estado
de paz

terça-feira, 13 de janeiro de 2009

Terça-feira educada

Um consultório
un momento
utopia de sentimento
educação

pessoas agradecidas
um mundo melhor
taxistas tranquilos...
Uau...nunca vi uma terça assim
tão quente e tão educada

segunda-feira, 12 de janeiro de 2009

Braço

O cara andava pela casa

um dia o vento estava forte,a janela aberta
o vento bateu em sua reta
e a porta que bateu cortou seu braço

braço
cortou seu braço
que não era de aço,e sim de carne
que ficou amassada grudada com a porta batida

e vive assim até hoje
já se passaram dez anos
e até hoje seu braço é carne moída móvel
é o que atrapalha o cara de confiar em si mesmo

a carne moída atrelada a ele,aonde devia ter um braço
as pessoas não tinham noção de como um braço
como um braço,fazia falta
ele pagava tudo pra ter seu braço de volta
ele pagaria tudo

vendeu o carro
vendeu a casa
vendeu o corpo
vendeu a alma

ele queria o braço
ele queria que o fardo
de não ter braço
fosse desfeito

Você sabe o quanto isso é enlouquecedor?
sabe o que é não ter o que se considera básico?
de qualquer forma
valorize o seu braço
Abraço

Pequenas coisas pra destruir o mundo-parte 1

São coisas
que te fazem parar de crer
pequenas coisas que te deixam mais atento
pra momentos que talvez o melhor,distraído seja ser
algo não mais possível talvez

coisas coisas são ocas às vezes
forçam fachadas de tocas gaulesas
tocas Asterix e Obelix de desenho
que no real não têm vínculo com conteúdo,nem pernalonga,nem absurdo
foram feitos pra enganar mesmo

perna longa,sonda enforca
torta morte,peixe vivo,cozinha do inferno
ponha um terno e procure um emprego
procure um emprego e morra cedo,faça da sua vida o esquema trabaho-casa,casa-trabalho
procure um lugar que venda alho,pra cozinhar nos tempos vagos poucos que tiver

feira de frutas é bom pra saúde,fazer yoga também
dê preferência as artifialidades,principalmente àquelas que você prefere saber que são verdades
morra sempre em trivialidades,pequenas discussões fazem bem a saúde
perca a paciência por pouca coisa,aliás,nem tenha paciência,pra que né?todos podemos comprar armas,não podemos?

e então dez mil habitantes armados saem as ruas ao mesmo tempo
um deles mete um tiro na culatra
da própria mãe por ter pedido um favor
que atira no médico,por que no dia certo não menstruou
Toma tiro doutor,toma bala!

Um atleta se escala pras olímpiadas
com a negação,pega sua AR-15
e metralha

Sou um animal na cidade,por falta de morte
levei um tiro
virei metade

Que maravilha,maravilha,é um milagre do tempo!
A espécie humana se mata,como finalmente se predizia!
em breve sem eles(essa espécie nojenta)a terra estará segura
O planeta Água/fonte/vida/terra estará livre de novo
de nós

sábado, 10 de janeiro de 2009

Formento do momento

Esvaziei-me
em teu copo esvaziei-me
sem querer me deixei esvaziar
pelo sabor de teu vidro

o sabor de teu ouvido
em minha voz
algo egocentrico por um lado
e por outro veloz

tão veloz que nem penso
nem paro pra pensar
não sinto necessidade senão
de estar e sentir

de saborear teu falar e ouvir
sua riqueza em me deixar contente
ao redor de tanta gente
no meio de um mundo tão fulgaz

Aqui jaz parte desse sentimento
algo indescrítivel até mesmo por poesia
que é uma cria,não muito obediente
é gosto de estar feliz e triste
saber que o jogo dos opostos não funciona mais consigo

quarta-feira, 7 de janeiro de 2009

Na fração da vida

Por uma fração de segundo pensei em desistir
por uma fração de falta de ação se pensa
por não agir o pensamento compensa
o espaço que ficou vazio

A mente engana e te gama
quer você na dela
te bota numa tela de cinema
pra você e seu orgulho ficarem bonitos

Ela confunde teu caráter
enlouquece teus sentidos
desfaz a poesia com o racíocinio lógico
te padroniza e encaixa para ter um padrão mercadológico

E a vida continua,e ela ali
te alertando e pertubando
dominando o seu sorrir
batidas de um coração?não...

Já é um motor

Sonata poesia

Triste fica a poesia virando sonata
mas a sonata poesia se torna
soma de dois universos próximos
som das letras,melodia triste

sona,tá,põe sia
põe Sia já na cama
Sia está com sono
e falou:me envergonho

Sia e sona,moram juntas
Sona tá na poesia
Sia põe uma sonata
pra tentar dormir sozinha

Triste fim
uma ironia
criada e filha
da mãe,que paga
o aluguel

São todas bem sozinhas
todas inhas em seus ãos
somos cada umazinha
com cada um do seu umzão

no meio quase sinto...
quase sinto uma valsinha
só não vejo tanta dança
porque aqui não tem
salão

é só um quarto escuro
sia,sona,o muro
escuridão mais sombria
eu,Sona e Sia

domingo, 4 de janeiro de 2009

Noite chuvosa clara

Tarde chuvosa
Uma tarde Tropical
friazinha simpática
onde se sabe pra onde se vai depois

As horas passam e eu espero
espero sem esperar
escrevo sem escrever
algo que é inevitável de acontecer

Perto da minha casa há uma montanha
há natureza,de ver feliz
chuva fina caindo sobre ela
noite chuvosa clara

sete e vinte quatro
ouço minha família
minha cachorrinha
e a televisão a barulhar

sinto a paz
a paz de álguem prestes a sair
com quem se quer estar
com quem se quer amar

tarde chuvosa me mostra o caminho
pois sua paz se equilibra com a minha
a chuva é esperta e bela
sabe quem está a minha espera
e faz o espetáculo pra mim e pra ela

sábado, 3 de janeiro de 2009

Ao mesmo tempo

De repente você aparece na minha mente
mas é tão de repente que ela nem sente
não sei se ela sou eu
nem se sinto o que sou
quando você aparece,aparente
repentina
de repente

Perdido estou
ao azar da sorte de estar perdido
solto,entretido
vivo,exprimido
em alma tua

Em paixão nua
me sinto inserido
força crua que esmaga os sentidos
razão sem sentidos
emoção com razão
sofro de emoção
do inseguro do não
do emotivo do saber de nada

bola de fogo cruzada,mal acabada
entorpecentes tristes e alegres
ao mesmo tempo
desalento com alento ao mesmo tempo
você e eu
em sincronia com o tempo
ao mesmo
tempo